PMI ou PRINCE2: concorrentes ou complementares?

pmi ou prince2

Há varias metodologias e padrões de Gerenciamento de Projetos no mercado, tanto para métodos ágeis quanto para o método tradicional. Falando especificamente no método tradicional, destacam-se o método PRINCE2 e o Guia de Boas Práticas em Gerenciamento de projetos, conhecido como PMBOK Guide, do PMI.

Ao contrário que muitas pessoas pensam, o método PRINCE2 é o mais utilizado no mundo e tem praticamente o dobro de profissionais certificados ao se compararmos a certificação PMP do PMI. Já no Brasil, ainda predomina-se o padrão do PMI, o PMBOK Guide, mas o PRINCE2 vem crescendo bastante.

Ao comparamos o PMBOK Guide e PRINCE2, podemos afirmar que o PMBOK é baseado em processos e muitas ferramentas e técnicas, já o PRINCE2 é baseado em princípios, processos, temas e adequação do projeto.

O PMBOK Guide, Guia de Melhores Práticas do PMI, não diz como fazer e sim o que fazer, com todas as suas ricas técnicas e ferramentas. Já no Manual do PRINCE2, Gerenciando Projetos de Sucesso com Prince2, ele não diz o que fazer, mas diz como fazer.

Fazendo uma analogia com um projeto de um bolo, o PMBOK fornecerá a receita, já o PRINCE2 irá dizer como fazer. Ao juntarmos o que é de melhor no padrão e no método na condução dos projetos, teremos muito a ganhar. E é importante ressaltar que ambos não são concorrentes e sim complementares.

Já imaginou se pudéssemos unir o útil ao agradável? Que tal unir “o que” fazer com “como fazer”?

Diferenças PMBOK e PRINCE2

No PMBOK Guide 5 ª edição há 47 (quarenta e sete) processos compreendendo as suas 10 (dez) áreas de conhecimento e as fases dos projetos de iniciação, planejamento, execução, monitoramento e controle e encerramento. Na 5ª edição do PMBOK foi inserida a área de conhecimento gerenciamento das partes interessadas. No padrão PMI, o responsável pelo sucesso ou fracasso do projeto é o Gerente de Projetos.

processos pmbok projectlab

Figura 1 – Processos PMBOK 5ª edição – Projectlab

Já o PRINCE2, é uma estrutura bem mais enxuta, enquanto que o PMBOK possui 47 (quarenta e sete) processos, o PRINCE2 possui 7 (sete) processos: Starting Up a Project (SU), Directing a Project (DP), Initiating a Project (IP), Managing a Stage Boundary (SB), Controlling a Stage (CS), Managing Product Delivery (MP) e Closing a Project (CS). Há ainda 7 (sete) temas, que poderíamos comparar como as áreas de conhecimento do PMBOK Guide, e os 7(sete) princípios, onde estes existem e não podem ser adaptados e regem o ambiente controlado que o PRINCE2 prega. O responsável pelo sucesso ou fracasso do projeto, ao contrário do PMBOK Guide, que afirma que é o Gerente de Projetos, no PRINCE2 é o comitê diretor do projeto, que é composto por um executivo, usuário(s) principal (is) e fornecedor (es) principal (is).

PRINCE2_Process_Model_Diagram.pdf

Figura 2 – Processos PRINCE2 – Management Plaza

Organizacao-Prince2

Figura 3 – Organização PRINCE2 – Blog Fabio Cruz – http://www.fabiocruz.com.br/

Embora a estrutura do PRINCE2 seja mais enxuta que o PMBOK, o PRINCE2 possui uma governança muito melhor que prega o PMBOK Guide.

Enquanto o PMBOK há um Plano de Gerenciamento de Projeto que guia a execução até o fim do projeto, o PRINCE2 utiliza o gerenciamento por estágios, que é um dos seus 7 (sete) princípios e o Gerente de Projetos é apenas autorizado pelo comitê diretor a executar um estágio por vez. E ao final de cada estágio é avaliado o resultado do estágio que foi previamente autorizado e o comitê diretor avalia se o projeto continua viável para prosseguir com o próximo estágio ou encerra o projeto prematuramente.

Outro princípio que é utilizado é o Gerenciamento por Exceção, onde pode haver tolerâncias de escopo, prazo, custo, qualidade, risco e benefício, e é estipulado tolerâncias para o comitê diretor, que responde pelo projeto, para o gerente de projeto, que responde pelos estágios e o gerente da equipe especialista, que responde pelos pacotes de trabalho. Caso alguma tolerância exceda ou esteja para exceder, é escalado o problema para a instância superior, que decide o que fazer, onde poderá tomar uma ação corretiva. O Gerenciamento por Exceção reforça a governança de que o projeto não tenha grandes desvios, e é sempre guiado por um Business Case válido e viável e que traga valor tanto para a área de negócios quanto cliente.

O que é melhor, o padrão PMBOK Guide ou o método PRINCE2?

O Manual do PRINCE2 não referencia tantas ferramentas e técnicas quanto o PMBOK Guide, e há duas técnicas que o Manual dá grande destaque: Técnica de Revisão de Qualidade e o Planejamento Baseado em Produtos. Já o PMBOK Guide possui muitas ferramentas úteis a serem aplicadas no projeto, mas não é tão forte na governança como o PRINCE2.

Ao compararmos o padrão PMBOK Guide e o método PRINCE2, Não existe o melhor. Ambos são complementares. Ao se extrair as vantagens e o que há melhor de cada um, os projetos estarão ganhando. O próprio PRINCE2 faz referências às técnicas utilizadas no PMBOK Guide e no PMBOK Guide faz referência as outras metodologias/padrões de Gerenciamento de Projetos.

Padrão ou metodologia?

Muitas pessoas pensam que tanto o PMBOK Guide quanto o PRINCE2 são metodologias. O PMBOK Guide deixa claro em suas primeiras páginas que é um padrão e não uma metodologia. Já o PRINCE2 é um método.

Embora não se possa comparar um padrão com uma método, ambos conduzem projetos e é por esse prisma que deve ser analisado e extrair as vantagens do que há de melhor no método e padrão.

Certificações

Assim como o PMI é dono do PMBOK Guide e possui as suas certificações profissionais, o dono do PRINCE2 é AXELOS desde agosto de 2013, onde o dono era a OGC (Office of Government Commerce –  do governo britânico) e também possui suas certificações. Para a certificação profissional de projetos, o PMI possui CAPM e PMP, e para o PRINCE2 possui as certificações em níveis: Foundation, Practitioner e Professional.

Para se manter as certificações do PMI é necessário acumular no período de 3 anos, uma quantidade de PDUs (Professional Development Unit), para PMP são 60 PDUs e não requer fazer uma nova prova.

Já para o nível Practitioner do PRINCE2, a cada 5 anos é necessário fazer um reexame para manter a certificação. Para o nível Foundation não é necessário fazer um reexame.

Para maiores informações sobre as certificações do PMI, acesse o site do PMI.

Para maiores informações sobre a certificação de PRINCE2, acesse o site da AXELOS.

Os cursos de MBA em Gerenciamento de Projetos

No Brasil o padrão PMBOK Guide está muito mais difundido do que o método PRINCE2. Na maioria dos cursos de MBA de Gerenciamento de Projeto é dada a abordagem do PMBOK Guide sem serem citadas outras metodologias ou métodos, como o PRINCE2. Já houve algum avanço, alguns professores já citam o PRINCE2 e outras metodologias, como o Project Model Canvas, mas ainda há muito que melhorar. É necessário que as pessoas não fiquem restringidas apenas no padrão do PMBOK Guide, é necessário adquirimos o conhecimento fora da caixa do PMI. Com isso, todos sairão ganhando, inclusive em conhecimento.

Treinamento PRINCE2

Há vários organizações que fornecem treinamento de PRINCE2 tanto no nível Foundation quanto Practitioner, inclusive já com o exame incluído. Uma empresa que eu recomendo e que tem sede no Rio de Janeiro, mas que também realiza os treinamentos em outros estados é a RARO Training. As próximas turma são:

Rio de Janeiro: 17/06/2015 a 23/07/2015

Belo Horizonte: 13/07/2015 a 17/07/2015

São Paulo: 25/05/2015 a 29/05/2015

Foto de Terno

Autor: Luiz Guilherme Carvalho, MBA, PMP, PRINCE2, PMI-RMP, CSM

Linkedin |Facebook  | Grupo de Discussão | Blog