Jornada Mundial da Juventude

JMJ 2013

Neste mês de julho de 2013, no período de 23/07 a 28/07, ocorrerá o maior evento da história na cidade do Rio de Janeiro, a Jornada Mundial da Juventude. É esperado visitantes de toda parte do mundo, e a estimativa é que o Rio de Janeiro receba mais de 2 milhões de pessoas. Os olhos do mundo neste período estarão voltados para a Cidade.

Um Mega Evento como este se não for bem planejado poderá ser um fiasco em sua organização denegrindo a imagem da cidade e do Brasil no exterior. Nos dias atuais, a chave de alavancar as chances de sucessos em Projetos, organizações de eventos e atividades, é a implementação de Gerenciamento de Riscos.

O assunto Riscos é tão relevante que o Comitê Organizador Local da Jornada Mundial da Juventude implantou o Centro de Gestão Integrada de Riscos, que a partir de 15/07 já estará monitorando a cidade.

 

A Gestão de Risco como um todo, deve iniciar desde a saída do Papa Francisco do Vaticano até o regresso dele, sem nenhum incidente. Qualquer incidente, enfatizo, a imagem da cidade do Rio de Janeiro e do Brasil serão manchadas. Mas a identificação e as respostas aos riscos não se restringem apenas ao Papa, mas também aos Peregrinos que participarão do evento, dos cidadãos brasileiros e a integridade da cidade do Rio de Janeiro.

A fase de Identificação dos Riscos com o envolvimento das principais partes interessadas (Stakeholders) é uma das etapas mais importantes. Representantes da Igreja Católica, Polícia Militar, Corpo de Bombeiros, BOPE, Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, Governo do Estado do Rio de Janeiro, Governo Federal, Secretaria de Segurança Pública, Secretaria de Transporte, Secretaria de Saúde, Engenharia de Tráfego, Policia Federal, Policia Rodoviária, CEDAE, Light e Infraero, são algumas das partes interessadas, que deveriam participar da Identificação dos Riscos e de todo o Planejamento, e que também haja um alinhamento entre as partes, para que os riscos, quando não forem possíveis suas eliminações, sejam o máximo minimizados.

Um ponto positivo foi que representantes do Corpo de Bombeiros participaram de uma reunião com o Comitê Organizador da Jornada Mundial da Juventude de Madri, na Espanha, onde foi possível passar alguns problemas que tiveram na Espanha, e um dos pontos informados foi a falta de água potável para uso geral. Um dos Planos de Resposta identificados foi a contratação de caminhões Pipa.

Um Risco que foi identificado e que nada fizeram, é quanto ao Risco de inundação no terreno em Guaratiba que ocorrerá a missa de encerramento do evento. O terreno fica abaixo do nível do mar e próximo ao Rio Piraquê, e em caso de maré alta, alaga os canais próximos, causando a inundação do terreno. Então, por que não eliminar o Risco e realizar a missa de encerramento em outro local?

A Promotoria de Tutela Coletiva do Ministério Público do Rio de Janeiro solicitou ao Comitê Organizador Local da Jornada Mundial da Juventude, o Planejamento detalhado de Segurança e Saúde durante o evento, o que não foi fornecido. O resultado foi a instauração de um Inquérito Civil Público para acompanhar os desdobramentos da organização, e pôs os Promotores em rota de colisão com a Igreja Católica.

Isso faz crer que as vésperas deste Mega Evento, embora tenha sido criado um Centro de Gestão Integrada de Riscos, o Planejamento de Gerenciamento de Riscos não foi feito de forma adequada.

Oremos que até o início do evento, o Planejamento esteja todo concluído e que nosso senhor possa eliminar o maior risco de todos: o Risco da Lei de Murphy.

Fan Page: https://www.facebook.com/gerenciandoriscosemprojetos

Contato: rjluizg@gmail.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *